5
Novo Últimas Notícias
 
 
 
 
 
Top Nav
CompararComparando...

WestRock comemora os 50 anos do Instituto de Pesquisas e Estudos Florestais

Lendo Agora
WestRock comemora os 50 anos do Instituto de Pesquisas e Estudos Florestais

O Instituto de Pesquisas e Estudos Florestais (IPEF), entidade de referência mundial fundada também pela WestRock, celebrou 50 anos de valiosas contribuições para a difusão do conhecimento, a capacitação profissional e o desenvolvimento tecnológico no setor de florestas plantadas.

A comemoração aconteceu no ‘Simpósio IPEF 50 anos’, seminário internacional que reuniu, no final de agosto, em Piracicaba (SP), os melhores especialistas para apresentar o futuro sustentável do manejo florestal.

Além disso, as empresas fundadoras receberam uma homenagem durante o evento.

“Nossos compromissos de proteção ao planeta e de desenvolvimento tecnológico responsável são sérios e expressivos: imaginem o orgulho que nós, da WestRock, temos por estar entre os fundadores do IPEF! Desde 1968 atuamos com o Instituto para fazer avançar a agenda da Sustentabilidade no país e estamos prontos para um futuro promissor”, resume Davi Rauen, Gerente de Planejamento que representou a WestRock no seminário.

Da redação

CompararComparando...

Executivo da TCP é finalista no prêmio Revelação de Finanças 2018

Lendo Agora
Executivo da TCP é finalista no prêmio Revelação de Finanças 2018

O Gerente Administrativo Financeiro da TCP – empresa que administra o Terminal de Contêineres de Paranaguá, Luiz Alberto Bressan, é um dos finalistas do Prêmio Revelação de Finanças 2018, promovido pelo IBEF-PR (Instituto Brasileiro de Executivos de Finanças).

O reconhecimento é o prêmio máximo na área de finanças em nível gerencial e, tradicionalmente, é voltado para executivos com até 40 anos de idade.

O executivo da TCP destaca que indicação para a premiação é resultado do trabalho desenvolvido em grandes projetos da empresa nos últimos anos.

“É reflexo da atuação em grandes eventos, como a gestão dos processos de investimentos, as obras de expansão, aquisição de grandes equipamentos, a abertura de capital e emissão de debêntures, além do processo de M&A que culminou com a aquisição de 90% das ações da empresa pela China Merchants Port”, diz.

Aos 34 anos, Bressan acredita que o reconhecimento marcará a sua carreira até o final.

“Estar entre os indicados para o prêmio demonstra que o trabalho desenvolvido no Terminal de Contêineres de Paranaguá foi realizado com qualidade e dedicação, atingindo o resultado esperado pelos acionistas e gerando valor para a empresa”, finaliza.

A entrega do prêmio será entregue no dia 25 de outubro às 19 horas, no Castelo do Batel, em Curitiba.

Da redação

CompararComparando...

Sepac quer aumentar vendas em 15% para o mercado goiano

Lendo Agora
Sepac quer aumentar vendas em 15% para o mercado goiano

A indústria Sepac (Serrados e Pasta Celulose), investe em sua participação na 17ª Convenção e Feira de Negócios para Supermercados e Panificadoras – SUPERAGOS, de 19 a 21 de setembro, para aumentar vendas no mercado goiano.

A empresa tem a expectativa de aumentar em 15% suas vendas no Estado.

A indústria, que detém diversas marcas, apresentará no evento seus mais recentes lançamentos na linha de fraldas Baby Boo e no de papeis higiênicos, Duetto.

O gerente regional da Sepac responsável pela operação no Estado, Almir Angieski, explica que a empresa continua focado em melhorar a performance em Goiás, por isso, nestes últimos três anos tem mantido altas expectativas de crescimento que têm sido amparadas por excelentes resultados.

“A participação na SUPERAGOS é uma data muito aguardada devido ao volume de vendas que são realizadas durante a exposição. Temos um pico de vendas durante e após a realização desta feira”, destaca.

Da redação

CompararComparando...

Fibria é eleita pelo 5º ano consecutivo a melhor empresa C&P na “As Melhores da Dinheiro”

Lendo Agora
Fibria é eleita pelo 5º ano consecutivo a melhor empresa C&P na “As Melhores da Dinheiro”

Revista IstoÉ Dinheiro divulga o ranking das maiores companhias do país e as melhores em 24 setores, segundo análises da Economática e da Standard&Poor´s.

A Fibria, empresa brasileira e líder mundial em celulose de eucalipto a partir de florestas plantadas, foi eleita, pelo quinto ano consecutivo, a melhor companhia na categoria Papel e Celulose no anuário As Melhores da Dinheiro.

A premiação, realizada pela revista IstoÉ Dinheiro, publicação semanal de economia e negócios da Editora Três, aconteceu na noite de ontem, 13/09, em São Paulo.

O ranking e a escolha das melhores empresas em 24 setores da economia são definidos a partir de análises de dados realizados pela Standard & Poor´s e Economática.

As companhias são avaliadas por critérios como sustentabilidade financeira, governança corporativa, recursos humanos, inovação e qualidade, gestão e responsabilidade social.

“Essa premiação, pelo quinto ano consecutivo como a campeã do setor de Papel e Celulose, é um orgulho para toda a companhia”.

“É uma vitória coletiva, de todos os que fazem a Fibria ser uma empresa diferenciada, que atua com responsabilidade, com diálogo e com transparência”.

“Que busca, sim, bons resultados, mas sempre respeitando as pessoas e o meio ambiente”.

“Estamos muito felizes com esse reconhecimento e agradecemos a todos que nos ajudaram nessa jornada”, diz Marcelo Castelli, presidente da Fibria.

Da redação

CompararComparando...

Suzano está entre as Melhores da Dinheiro 2018

Lendo Agora
Suzano está entre as Melhores da Dinheiro 2018

Empresa foi classificada em seis rankings na edição especial da revista IstoÉ Dinheiro.

Suzano Papel e Celulose é um dos destaques do especial As Melhores da Dinheiro 2018, publicado na última semana pela revista IstoÉ Dinheiro.

A publicação avaliou a gestão corporativa e o desempenho econômico das maiores companhias do Brasil.

A Suzano foi vencedora na categoria Governança Corporativa do Segmento de Papel e Celulose e também integra a lista das Super 20, grupo em que as grandes empresas nacionais são comparadas entre si.

Para participarem do ranking, as empresas precisam se inscrever por meio de um formulário que reúne informações de sustentabilidade financeira e outros aspectos institucionais e de gestão.

A avaliação é feita por um time especializado de consultores da revista.

Da redação

CompararComparando...

Venda de papelão ondulado cresce 2,6% em agosto e atinge maior valor da série

Lendo Agora
Venda de papelão ondulado cresce 2,6% em agosto e atinge maior valor da série

As vendas de papelão ondulado utilizados em embalagens – caixas, acessórios e chapas – cresceram 2,6% em agosto ante igual período do ano anterior, para 328.899 toneladas, alcançando o maior valor da série histórica, segundo apuração prévia divulgada pela Associação Brasileira de Papelão Ondulado.

Na comparação com julho foi apurado acréscimo de 5,8%.

A expedição por dia útil também cresceu 2,6%, visto que agosto teve a mesma quantidade de dias úteis (27) em 2018 e 2017.

Considerando os dados livres de influência sazonal, a expedição de papelão ondulado cresceu 0,6% entre julho e agosto, para 304.894 toneladas, o segundo maior valor da série histórica.

O resultado é inferior apenas ao reportado em junho, mês de forte expansão da expedição para atenuar as perdas decorrentes da interrupção dos serviços de transporte de cargas ao final de maio.

Em nota, a ABPO informa que a prévia de agosto confirma o retorno à tendência de alta registrada até abril com o crescimento de 7,1% entre julho e agosto na métrica de médias móveis trimestrais.

Em termos de médias trimestrais, o volume expedido pelo setor subiria 5,4% no terceiro trimestre em relação ao trimestre imediatamente anterior e 2% em relação ao primeiro trimestre, acrescenta a associação.

Fonte: Istoé

CompararComparando...

Volume de contratação do crédito agrícola é o maior em cinco anos

Lendo Agora
Volume de contratação do crédito agrícola é o maior em cinco anos

As contratações de crédito agrícola, no primeiro bimestre do Plano Agrícola e Pecuário 2018/19, tiveram acréscimo de 45%, atingindo R$ 34,1 bilhões, com 139.155 operações, na comparação com o mesmo período da safra passada.

Do total de recursos liberados, são destaque as operações de custeio, que totalizaram R$ 20,8 bilhões, o equivalente 111.245 operações com aumento de 35%.

O desembolso é o maior dos últimos cinco anos. Na safra 2014/15 foram R$ 25,5 bilhões; em 2015/16 foram R$ 26,6 bilhões; na safra seguinte R$ 19,5 bilhões; e na safra passada, R$ 23,6 bilhões.

Os números fazem parte de levantamento realizado mensalmente pelo Departamento de Crédito e Estudos Econômicos da Secretaria de Política Agrícola e estão disponíveis no Portal do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

Para o secretário de Política Agrícola do Mapa, Wilson Vaz de Araújo, o bom desempenho do crédito rural, cuja contratação é a maior para o período nos últimos cinco anos, reflete expectativas do produtor rural em relação ao comportamento do mercado agrícola.

“Há recursos disponíveis e os produtores recorrem ao crédito para aproveitar oportunidades de negócios”.

“Considerando que não alteramos o limite de custeio, a maior atratividade por esses recursos foi a redução das taxas de juros”, ressalta.

“E dentro deste quadro, observa-se maior desembolso de recursos a taxas controladas do que a taxas livres, que são recursos mais baratos”, diz.

Dentre os principais programas de financiamento, destaca-se o PCA (Programa de Construção e Ampliação de Armazéns), que teve aumento de 141%, por conta do incentivo para implantação de estruturas com capacidade de até 6 mil toneladas, a taxas de juros de 5,25% ao ano.

Já o Moderfrota (Programa de Modernização da Frota de Tratores Agrícolas e Implementos), teve desempenho 55% superior ao da safra passada.

“Esse incremento já era esperado, devido à redução das taxas”, acredita.

Da redação

CompararComparando...

Suzano recebe prêmio de Empresas que Melhor se Comunicam com Jornalistas

Lendo Agora
Suzano recebe prêmio de Empresas que Melhor se Comunicam com Jornalistas

Suzano Papel e Celulose foi reconhecida em 2018 como uma das empresas que melhor se comunicam com os jornalistas pela quarta vez consecutiva.

A premiação aconteceu na última segunda-feira (10) e contou com a presença de executivos das empresas premiadas, profissionais de comunicação, além de jornalistas e membros das entidades apoiadoras.

O evento celebrou o resultado da pesquisa realizada com 25 mil jornalistas de todo o Brasil pela revista Negócios da Comunicação, com o apoio da consultoria britânica BDO Brazil.

O prêmio, criado há sete anos, tem o objetivo de contemplar o bom relacionamento entre jornalistas e empresas, segmentadas em 30 diferentes categorias, em diversos quesitos, como a disponibilidade de informações e o tratamento com os profissionais da imprensa.

Além disso, reconhece as organizações que desenvolvem ações de comunicação adequadas e eficientes.

“Esse é um importante reconhecimento, fruto do cuidado diário que temos no relacionamento com nossos diversos públicos. Nós só temos a agradecer aos jornalistas que nos apoiam diariamente em uma jornada de parceria, transparência e confiança”, afirma Marcela Porto, Gerente Executiva de Gestão da Comunicação da Suzano Papel e Celulose.

Em 2018, as empresas de Papel e Celulose passaram a concorrer na categoria Base Florestal, na qual a companhia foi premiada.

Em anos anteriores, empresas dos setores de Madeira e Papel e Celulose concorriam separadamente e, desde que a premiação foi criada, em 2011, a Suzano havia sido indicada em quatro oportunidades, sendo as últimas entre 2015 e 2017.

A Suzano foi representada durante o evento por executivos da empresa e da agência PLANIN, parceira da Suzano no atendimento à imprensa.

Da redação

CompararComparando...

Mercado exige mais qualificação e pós-graduação é a saída

Lendo Agora
Mercado exige mais qualificação e pós-graduação é a saída

O cenário atual do mercado de trabalho é altamente desafiador.

Para manter-se competitivo, é imprescindível aprimorar suas habilidades e competências.

A graduação já não é um grande diferencial, então a maneira de aumentar a empregabilidade é investir em uma pós-graduação.

A especialização em determinada área é, cada vez mais, cobrada nos diversos setores do mercado.

De acordo com a Capes, Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior – do Ministério da Educação -, somente 10% dos graduados, no Brasil, seguem para uma pós-graduação, no entanto as grandes empresas enxergam o complemento do ensino superior como um grande diferencial, pois permite constante atualização sobre o mercado.

Outra boa oportunidade é o MBA, por ser uma pós-graduação na área de negócios.

O aluno fica antenado com as principais demandas das empresas, sendo que sua formação é voltada para a necessidade do mercado.

O complemento de estudo em uma área específica, pode abrir a porta para até um plano de carreira dentro de um emprego, afinal o profissional que se destaca no setor é sempre mais valorizado e remunerado.

O investimento na pós-graduação demanda tempo e dedicação, mas o esforço vale a pena.

Mesmo em tempo de crises, é importante que o indivíduo se planeje para investir em sua qualificação sempre que possível, uma vez que a pós pode ser um complemento profissional ou uma porta de entrada para uma nova carreira.

Edmárcia Gomes Silva – Coordenadora da Pós-graduação da Faculdade Anhanguera de Sertãozinho

CompararComparando...

Competência técnica é o principal entrave para a contratação de executivos no agronegócios

Lendo Agora
Competência técnica é o principal entrave para a contratação de executivos no agronegócios

Não restam dúvidas sobre a relevância do agronegócio brasileiro para a economia nacional. Por ter sido pouco impactado pela crise, o setor segue sua rotina de contratações.

Em 2017, o agronegócio empregou 32,3% dos trabalhadores formais do país – mais de 30 milhões, de acordo com a CNA-Brasil (Confederação da Agricultura e Pecuária).

Diante desse cenário, para a HAYS Executive, empresa que atua no recrutamento de C-level e diretoria, na divisão indústria, os projetos de agronegócios foram responsáveis por 53% dos projetos de Executive Search realizado em 2017.

Um levantamento feito pela HAYS Executive com 90 representantes de empresas chave do agronegócio brasileiro revelou que a falta de competência técnica é uma das principais dificuldades na contratação (43%).

Tempo de experiência e vivência no setor aparecem logo em seguida, com 18 e 12%, respectivamente.

De acordo com Winnie Welbergen, responsável pelo estudo na Hays Executive, isso acontece, pois o agronegócio demanda, cada vez mais, um profissional híbrido, que tenha habilidade de circular e resolver as demandas do campo e, ao mesmo tempo, tenha habilidade de exercer influência em um ambiente corporativo globalizado e matricial.

Outro dado revelado na pesquisa é que muitos profissionais presentes hoje no setor acumularam experiências em outras indústrias.

58% dos entrevistados afirmam não ter iniciado sua carreira no Agronegócio.

68% do total de ouvidos trabalharam anteriormente, por mais de 5 anos, em outras indústrias.

Isso explica o esforço que o setor tem feito para encontrar profissionais que circulem bem entre esses dois cenários.

O que os líderes do setor consideram essenciais para uma carreira de sucesso

As competências comportamentais – ou soft skills – são apontadas como essenciais também para quem busca sucesso profissional no setor de agronegócio.

Capacidade de realização e entrega de resultados, juntamente com habilidades de liderança e influência são apontadas por mais de 70% como sendo essenciais para o sucesso de um executivo da área.

Habilidades de relacionamento em diferentes níveis e perfis são fundamentais para mais de 50% deles.

Poder de decisão é citado por 36%, gestão de conflito por 27% e gestão de risco por 26%.

Já a experiência prévia no setor e mobilidade são elencadas por apenas 21% e 20% da mostra.

Da redação

vaga
Últimas Notícias
 
Alta no mercado de máquinas agrícolas gera demandas importantes para a indústria do aço
 
Eucalipto responde por 75% das florestas plantadas no país
 
Uso de drones para agricultura será liberado na Índia 
 
Seca continua impactando commodities da Argentina
Comparar
Ir