CompararComparando...

Com apetite e dinheiro no bolso, investidores chineses “invadem” o Brasil

Lendo Agora
Com apetite e dinheiro no bolso, investidores chineses “invadem” o Brasil

28/10/2016 – Os chineses desembarcaram com tudo no Brasil, impulsionados principalmente pelo câmbio favorável e pela necessidade das empresas envolvidas na Operação Lava Jato de venderem seus ativos para fazerem caixa. A verdade é uma: onde há crise, há chineses. Com dinheiro no bolso e muito apetite, os investidores asiáticos chegaram de olho principalmente em aquisições na área de infraestrutura.

O primeiro movimento já se consolidou no setor elétrico. Com o plano ambicioso de investir US$ 50 trilhões até 2050 para interligar o parque energético mundial, a estatal chinesa State Grid opera hoje no Brasil 7 mil quilômetros de linhas de transmissão e tem outros 6,6 mil em construção.

E não para por aí. Em junho a empresa anunciou a compra da fatia da Camargo Côrrea na CPFL, distribuidora paulista de energia. Agora ampliou a oferta aos demais controladores – o Previ, fundo de previdência dos funcionários do Banco do Brasil e a Bonaire, companhia de participações formada por fundos de pensão como Funcesp, Petros, Sistel e Sabesprev. Os controladores já sinalizaram positivamente. Caso a aquisição seja confirmada, será a maior já feita na história do setor elétrico brasileiro, avaliada em mais de R$ 25 bilhões.

dinheiro-china

Já a China Three Gorges (CTG), que opera a hidrelétrica de Três Gargantas (a maior do mundo), entrou no Brasil em 2013 com a aquisição de ativos da portuguesa EDP. No ano passado, pagou R$ 14 bilhões na compra das hidrelétricas de Jupiá e Ilha Solteira, e se tornou a segunda maior geradora privada de energia do país.

Neste mês, a companhia confirmou a aquisição de todos os ativos da Duke Energy no Brasil por US$ 1,2 bilhão (cerca de R$ 3,8 bilhões). A compra inclui oito usinas hidrelétricas, com capacidade total de 2.057 megawatts (MW), localizadas na divisa do Paraná com o estado de São Paulo, além de duas pequenas centrais hidrelétricas, cada uma com capacidade de 16,5 MW, localizadas no Rio Sapucaí Mirim, no norte de São Paulo. Após a aquisição ser concluída, a chinesa se tornará líder no segmento.

Tratativas

Interessado o no tamanho do bolso chinês, o governo brasileiro tem apostado nas conversas para atrair mais investimentos. Durante o encontro com o G20, primeira viagem oficial de Michel Temer como presidente, em setembro, o Planalto apresentou aos chineses o pacote de concessões de infraestrutura (PPI). Segundo o governo, os chineses manifestaram interesse em participar das concessões em áreas como ferrovias, rodovias, portos e aeroportos.

“É uma combinação lógica. O governo brasileiro precisa de dinheiro. Existe uma lacuna para fazer parte desses novos projetos de privatizações. Os chineses têm recurso e vão entrar com o capital. E interessa muito para o Brasil esses recursos”, avalia o professor em economia chinesa do Insper, Roberto Dumas Damas.

O interesse chinês por infraestrutura é estratégico. Maior parceiro comercial do Brasil, o país asiático é o principal destino da produção agrícola brasileira. Entre janeiro e setembro deste ano, as empresas brasileiras embarcaram US$ 28,9 bilhões em mercadorias com destino à China, segundo dados do Camex.

Um dos projetos de interesse dos chineses é a gigantesca ferrovia Bioceânica, lançada pela então presidente Dilma Rousseff (PT) para ligar o Brasil ao oceano Pacífico. Desde o ano passado, a China Railway Eryuan Engineering Group está desenvolvendo um estudo de viabilidade para o trecho.

Fonte: Gazeta do Povo

Tequaly Rodapé notícias
Qual é a sua impressão?
Amei
100%
Curti
0%
Não Gostei
0%
Sobre o Autor
Celulose Online
Celulose Online

Deixe um Comentário