CompararComparando...

Com problemas financeiros, Jari Celulose atrasa pagamentos de terceirizados

Lendo Agora
Com problemas financeiros, Jari Celulose atrasa pagamentos de terceirizados

Jari Celulose24/04/2015 – Durante uma reunião, a presidente da Comissão do Comércio, Indústria, Minas e Energia da Assembleia Legislativa do Amapá, deputada (DEM), pediu aos diretores da Jari Celulose para reavaliarem as condições contratuais com a empresa NDE. Segundo a parlamentar, os profissionais ligados a empresa estão sem receber os vencimentos.

Segundo o acionista da Jari Celulose, , o pedido foi recebido com surpresa pela direção. Por outro lado, negou qualquer atraso com a NDE. “De todas as empresas contratadas pela Jari, a NDE é a única com todos os compromissos em dia”, assegurou.

O problema chegou ao Parlamento Estadual por meio dos vereadores das cidades de Vitória e Laranjal do Jari, sul do Amapá. A situação abriu espaço para outra questão: o aproveitamento da mão de obra local. A cobrança é em razão da Jari Celulose ser a maior empresa instada na região.

“A Assembleia Legislativa é favorável ao desenvolvimento do Estado e precisamos das empresas para gerar emprego e renda, em todas as regiões, mas estamos do lado do trabalhador, ele precisa receber para honrar com os seus compromissos e até mesmo para cuidar do seu bem maior, a vida”, enfatizou Roseli.

deputada Roseli Matos (DEM)

Deputada Roseli Matos (DEM)

O encontro, realizado na quinta-feira (16) dentro das estruturas da Jari Celulose, foi acompanhado pela representante do Vale do Jari na Assembleia Legislativa, deputada Raimunda Beirão (PSDB), juntamente com os vereadores dos dois municípios. Segundo Jorge Henriques, a fábrica retomou as atividades em março.

Retorno

O saldo da retomada foi o primeiro embarque de celulose solúvel – usada para a produção de tecidos – ao continente asiático, após dois anos de inatividade. O embarque de 12 mil toneladas de celulose feito em março, é o início da nova etapa de produção da empresa, troca o papel pelo tecido, por meio do processo da celulose solúvel, considerado mais limpo e puro.

A mudança é associada ao comportamento do mercado. O produto tem mais peso. A tonelada tem custo médio de U$ 800, contra os U$ 750 do papel “Investimos em nova matéria prima, mas ainda continuaremos com a exploração do papel, nós apenas deixamos de ser refém de um único produto”, explicou Henriques.

A opção pelo novo produto custou alguns bens a empresa. A Jari vendeu fábricas no Sul, Sudeste e até na região Norte para investir na celulose solúvel. Para fazer a mudança de equipamentos, contratou a Jaraguá. Mas o trabalho foi interrompido e somou mais prejuízos a Jari. A Jaraguá está entre as empresas investigadas pela Polícia Federal na “Operação Lava Jata”, no esquema de corrupção da Petrobrás. A interrupção retardou a retomada dos trabalhos.

Para voltar a produzir, a empresa contratou 3,5 mil profissionais, sendo 800 diretos e 2,7 mil indiretos por meio de empresas terceirizadas. No primeiro mês de produção, mandou para a Ásia 12mil toneladas de celulose. Para o mês de abril, a previsão é mandar 16 mil toneladas para a China.

A estimativa de produção até dezembro é de 300 mil toneladas. Apesar dos números positivos, a direção admite dificuldades em honrar todos os compromissos com os credores. Pela previsão dos acionistas, toda a dívida acumulada pela empresa nesses últimos anos só deve ser quitada em oito anos. Jorge Henrique foi enfático ao pontuar os itens considerados por ele, os responsáveis pela crise instalada na Jari Celulose e até pela suspensão das atividades. Dívidas, tecnologia ultrapassada, crise no mercado internacional e ausência do Poder público. O acionista considerou a tecnologia antes utilizada pela Jari celulose de ‘obsoleta’ e sem condições de brigar com as grandes empresas no mercado.

Crise

Sem espaço e com a produção cada vez menor, a Jari Celulose mergulhou em uma crise profunda. Aos poucos o quadro era reduzido e a divulgação de demissões em massa. Dois anos depois, a empresa retoma as atividades, mas ainda com problemas financeiros. Os acionistas se queixam, principalmente, da ausência do Poder Público.

Segundo Jorge Henriques a empresa tem apenas deveres. “Cabe a nós fazer manutenção de ramais e estradas, de trocar transformadores, manter o hospital e até o aeroporto sem receber qualquer recurso dos governos estadual e municipal e a conta recai aos acionistas”, reclamou.

Fonte: Jornal do Dia / Adaptado por CeluloseOnline

Demuth Rodapé
Qual é a sua impressão?
Amei
0%
Curti
0%
Não Gostei
0%
Sobre o Autor
Celulose Online
Celulose Online

Deixe um Comentário