CompararComparando...

ABTCP 2014: Exposição de trabalhos técnicos

Lendo Agora
ABTCP 2014: Exposição de trabalhos técnicos

poster30015/10/2014 – O 47º Congresso e Exposição Internacional de Celulose e Papel trouxe para os expositores e visitantes uma programação repleta de atividades extras. Durante os três dias aconteceram sessões técnicas e temáticas com temas importantes voltados para o setor. Entre os palestrantes estiveram CEOs de empresas e Mauro Borges, ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC).

Uma das atividades que somaram ao evento foi a Sessão Pôster de Meio Ambiente que representou três trabalhos técnicos desenvolvidos por pesquisadores e estudantes de celulose e papel.

Com o título “Aplicação de coagulante natural à base de tanino na coagulação/floculação para tratamento de efluente de indústria de papel e celulose”, um dos estudos avaliou e comparou esta aplicação como alternativa de tratamento de efluente de uma indústria papeleira ou de celulose. Foram realizados ensaios de coagulação em escala de laboratório em equipamento de bancada Jar-test, buscando otimizar o tratamento empregado. Para isto foram testadas dosagens do coagulante de 25 mg/L, 50 mg/L, 75 mg/L, 100 mg/L, 125 mg/L, e 150 mg/L em diferentes valores de pH. Desta forma, a configuração que proporcionou melhor eficiência de tratamento do efluente em estudo de sedimentação de 5 a 10 minutos.

Os autores foram os pesquisadores: Ludmila Neves, Bruna Luiza Managó, Grasiele Soares Cavallini, Carlos Magno de Sousa Vidal e Jeanette Beber de Souza.

O segundo trabalho exposto foi “Influência das fibras de Schoenoplectus californicus na qualidade de papéis”, desenvolvido por Vania Karine Dick Wille, Cristiane Pedrazzi, Jorge Luiz Colodette e Rubens Chaves de Oliveira.

O objetivo do trabalho foi avaliar as propriedades dos papéis produzidos de polpas celulósicas de Schoenoplectus californicus (C.A. Mey) Soják – popularmente conhecido como junco – puros e misturados com polpa de eucalipto. Foi realizado uma análise química das fibras de junco e cozimentos pelo processo kraft para produção de papéis com diferentes tratamentos.

As análises químicas demonstraram que as fibras de junco apresentam alto teor de extrativos e de sílica, o que o torna uma matéria prima desfavorável para a produção de polpa celulósica. Por outro lado, o processo de polpação kraft do junco resultou em polpas com baixo teor de ácido hexenurônicos, fator satisfatório para o branqueamento da polpa. Foi concluído que o junco não apresentou características satisfatórias para a produção de papéis de alta resistência.

Bruna Luiza Managó, engenheira ambiental e estudante de mestrado em Ciências Florestais na área de Tecnologia Florestal, foi a autora do estudo “Avaliação do emprego da flotação por ar dissolvido para remoção/recuperação de fibras geradas no processo produtivo de indústria de papel” – o terceiro exposto no ABTCP 2014.

O trabalho avaliou o emprego de coagulação/floculação e flotação em equipamento flotateste no tratamento de efluente da indústria de papel e celulose Ibersul, em Quedas de Iguaçu (PR). Durante os ensaios de flotação foram variadas as seguintes condições operacionais no flotateste: Dosagem de coagulante (PAC) e polímero (3%). De acordo com os resultados obtidos no flotateste, com uma dosagem de 0,3% do polímero é possível atingir ótimas reduções de 98,10% de Turbidez, 90,50% de DQO e 97,20% de Sólidos Suspensos Totais do efluente estudado.

“A empresa que usamos para o estudo trabalha com papel reciclado e possui apenas uma máquina de papel já com um flotador integrado no sistema. Mas estavam tendo alguns problemas com o equipamento. Então, eu coletei o efluente bruto e líquido depois do flotador e levei para o laboratório para fazer alguns testes de bancada para trabalhar dosagens de polímero, coagulantes e velocidade de flotação pra ver o que eu poderia ajudar eles”, conta Bruna.

Com as análises do bruto e o que eles seriam depois do tratamento, a engenheira ambiental avaliou a eficiência que eles estavam tendo no flotador da indústria e comparou com suas próprias soluções. “A gente reproduziu a dosagem da empresa com o polímero que era catiônico – eles usavam coagulante PAC – e diluímos o polímero que era 3%. Como ele era muito viscoso e difícil de trabalhar de aplicar, tivemos a ideia e diluir a 0,3% e alterar as dosagens de 25 mg/L, 50 mg/L, 125 mg/L, 150 mg/L do PAC em conjunto deste polímero”, explica.

“Eu acho importante nosso papel como engenheiro ambiental e pesquisador de estar sempre em conjunto com a indústria. É preciso que as áreas acadêmica, de pesquisa e laboratório busquem soluções em conjunto com as empresas do setor de celulose e papel para inovações, descobrir processos otimizados, novos coagulantes, novas utilidades com os resíduos que eles produzem e sempre tentar reutilizar os efluentes”, finaliza Bruna.

Também participaram deste estudo Ludmila Neves, Grasiele Soares Cavallini, Carlos Magno de Sousa Vidal e Jeanette Beber de Souza.

Boletim ABTCP 2014, Edição 9, Outubro de 2014

Demuth Rodapé
Qual é a sua impressão?
Amei
0%
Curti
0%
Não Gostei
0%
Sobre o Autor
Celulose Online
Celulose Online
Comentários
Deixe um Comentário

Deixe um Comentário