CompararComparando...

Tratamento de efluentes – David Charles Meissner – A Importância de Monitorar e Controlar as Cargas de DBO5 e DQO – Parte 1

Lendo Agora
Tratamento de efluentes – David Charles Meissner – A Importância de Monitorar e Controlar as Cargas de DBO5 e DQO – Parte 1

A Importância de Monitorar e Controlar as Concentrações e Quantidades das Cargas de DBO5 e DQO em uma Estação de Tratamento de Efluentes de Lodo Ativado – Parte 1

Introdução

23/10/2015 – Neste trabalho pretende-se apresentar algumas ideias para que o leitor possa obter um melhor entendimento sobre o que são cargas poluidoras orgânicas. Busca-se, também analisar como elas podem ser monitoradas e controladas. Essas cargas normalmente são definidas a partir das medições analíticas da Demanda de Oxigênio Química (DQO) e da Demanda de Oxigênio Biológica (DB05).

Vale enfatizar, mesmo correndo o risco de escrever o óbvio, que é importante deixar clara a razão para a existência da uma estação de tratamento de efluente ou ETE. Numa fábrica de celulose típica, os vários fluxos de fluidos aquoso gerados em excesso e não reaproveitáveis, são descartados pelas áreas produtivas e de apoio (esses fluidos são chamados de efluentes). Estes efluentes são coletados e enviados para ser tratados, para que possam ser subsequentemente lançados no meio ambiente de forma segura, ou até reutilizados. Os diversos efluentes entram em uma ETE contendo muitos poluentes, onde são tratados fisicamente e biologicamente. Após o tratamento adequado os efluentes saem com uma quantidade mínima e aceitável de poluentes.

Entretanto, devido a diversas limitações operacionais existentes em uma ETE, nem sempre ela funciona da forma adequada. Aqui é preciso lembrar que existem duas limitações principais nas ETEs. A primeira diz respeito à quantidade física de efluente bruto que pode ser tratado, que normalmente é expresso em m³ por hora ou m³ por dia. Essa quantidade é chamada de capacidade da carga hidráulica da ETE. A segunda limitação diz respeito a quantidade de poluentes contida dentro do efluente bruto, que normalmente é expresso em quilogramas de DQOt por dia, ou quilogramas de DBO5 por dia.  No presente trabalho pretende-se tratar dessa última limitação.

Na parte 1, serão tratados os assuntos referentes ao monitoramento e controle das cargas poluidoras orgânicas em uma estação de tratamento de efluentes, como indicado abaixo:

  1. Algumas Definições e Conceitos Básicos;
  2. Onde e como se pode medir as cargas de DQO e DBO5 em uma estação de tratamento de efluentes de lodo ativado?

1.       Algumas Definições e Conceitos Básicos

Algumas definições e conceitos já foram tratados na segunda parte dos trabalhos sobre a importância de oxigênio.[i] Entende-se que vale enfatizar o que já foi escrito originalmente, acrescentando alguns comentários adicionais.

  • Demanda de Oxigênio Química (DQO): A DQO é um número que resulta de um ensaio químico executado em uma amostra do efluente num laboratório analítico. Detalhes sobre o método analítico podem ser encontrados na referência, Standard Methods for the Examination of Water and Wastewater 20th Edition; Item: 5220 CHEMICAL OXYGEN DEMAND (COD)*#(233). [ii] O resultado desta análise é expresso em miligramas de oxigênio consumidos quimicamente por litro da amostra. Existem variações no método analítico que podem gerar resultados diferentes, mas o método frequentemente utilizado é a DQOt, ou Demanda Química de Oxigênio total, onde a amostra não é filtrada antes da análise. Outros métodos analíticos similares são: o COT ou carbono total de orgânico (TOC em inglês), e o DTO ou demanda total de oxigeno (TOD em inglês).
  • Demanda Biológica de Oxigênio (DB05): A DBO é um número que resulta de um ensaio biológico executado em uma amostra de efluente realizada em um laboratório analítico. Detalhes sobre o método analítico podem ser encontrados na referência Standard Methods for the Examination of Water and Wastewater 20th Edition; Item: 5210 BIOCHEMICAL OXYGEN DEMAND (BOD)*#(228).[iii] O resultado desta análise é expresso em miligramas de oxigênio consumidos biologicamente por litro da amostra. Tal como a DQO existem variações no método analítico da DBO que podem gerar resultados diferentes. A variação do método frequentemente utilizado é a DBO5 ou Demanda Biológica de Oxigênio, que é realizado ao longo de cinco dias de incubação. Neste caso o consumo de oxigênio é quantificado na amostra sem filtragem prévia.

Ressalta-se que pela natureza dos métodos analíticos, para uma mesma amostra, o valor da DQO sempre será maior do valor da DBO. Também, o erro analítico implícito nos métodos é bem diferente, sendo que um resultado de um valor de DQO é muito mais preciso do que um valor de DBO.

  • Vazão do Efluente: Para quantificar a vazão do efluente é comum utilizar uma canaleta específica, chamada de “Calha Parshall”. Nessa calha, mede-se a altura da lâmina de efluente, que é então utilizada para calcular a vazão[iv], que normalmente é expressa em m³/hora ou m³/dia. Essa calha deverá ser de um tamanho adequado a vazão esperada do efluente.

Nas linhas de efluente alimentado por bombas, podem-se utilizar medidores de vazão do tipo eletromagnético, entre outros. O medidor eletromagnético é frequentemente utilizado onde os efluentes podem ser: (a) corrosivos, (b) contém sólidos suspensos e (c) fluírem em tubos (e não em canaletas abertas). A perda da carga do fluxo na linha criada pela inserção de um medidor eletromagnético é mínima. [v]

Outros tipos de medidores de vazão existem, mas são pouco utilizados nas indústrias de celulose brasileiras.

Normalmente nas indústrias de celulose as medições e os registros das várias vazões são efetuados por meio de instrumentos de forma automática, permitindo o seu acompanhamento em tempo real e efetivando estudos retrospectivos. Essa instrumentação permite a visualização gráfica da variação na vazão do efluente ao longo do tempo, além de avaliar as variações da vazão de forma estatística. O acompanhamento da vazão do efluente é importante a fim de evitar choques excessivos, tanto do tipo hidráulico, quanto do tipo de carga orgânica.

  • Cargas: O cálculo das cargas da DQO ou da DBO5 é relativamente simples, somente sendo necessária a multiplicação da vazão do efluente pelas respectivas concentrações, como no exemplo a seguir:

[X m³ de efluente/hora * Y mg DQO/litro de efluente] / 1000 = Z Kg DQO/hora

Neste caso, devemos enfatizar que uma correta quantificação da vazão também é necessária a fim de evitar eventuais distorções nos resultados.

  • Relação de Alimentação com Massa, A/M (F/M em inglês): O valor da A/M é a relação da quantidade diária de alimentação para a massa de microrganismos mantidos sob aeração. Especificamente, a relação A/M representa a quantidade de BOD5 entrando no tanque de aeração (kg/dia) dividida pela quantidade (kg) de sólidos suspensos voláteis no tanque de aeração (SSVTA). Nota: Algumas referências usam MLSS (sólidos em suspensão mista) no cálculo da A/M, mas SSVTA é considerado mais preciso para a quantificação de microrganismos. Devido à conveniência do método analítico, a DQOt é pode ser usada em vez da DBO5. Esse é por que a BOD5 leva cinco dias para resultados e o erro é muito maior do valor encontrado no resultado utilizando a DQOt.[vi]

2.       Onde e como se pode medir as cargas de DQO e DBO5 em uma estação de tratamento de efluentes de lodo ativado?

  • Localização das principais fases operacionais em uma estação de tratamento:

Veja na figura n° 1 a seguir, as principais fases de um sistema de tratamento de efluente de lodo ativado e os locais adequados para monitorar algumas das vazões, o DQO e o DBO5 que são necessárias para medir as cargas em questão.

cargas - figura 1

Figura n° 1: Croqui das principais fases operacionais que existem em uma estação de tratamento de efluentes.

Para obter os valores das cargas de DQO e de DBO5 com um máximo de precisão, é recomendada a realização das coletas das amostras com equipamento automático nos locais indicados no croqui acima. Com os valores resultantes das análises da DQO e DBO5, e utilizando os valores apropriados para as vazões do efluente, podem-se calcular as cargas entrando ou saindo das várias fases de uma estação de tratamento.

  • Cargas típicas numa estação de tratamento de efluentes de lodo ativado com aeração prolongada:

Na tabela n° 1 a seguir, são apresentados os valores médios de cargas que foram mensurados ao longo de um ano em uma estação de tratamento em uma grande fábrica de celulose.

cargas - tabela 1

Observa-se na tabela acima, que diferença de 30.277 kg de DQOt / dia entre a soma das cargas (Linha [A] + [B] ou seja 151.216) e a entrada do efluente no tratamento biológico (linha [D] ou seja 120.939), representa a quantidade da carga removida pelo clarificador primário. Percebe-se na tabela acima um aumento na carga de DBO5 na entrada dos efluentes combinados no tratamento biológico, (linha [D]), onde, também se esperaria que ocorresse uma redução. Esse aumento pode ser explicado pela entrada de uma carga extra, oriunda das lagoas de emergência que não são contabilizadas.

Apresenta-se a seguir outro exemplo mais simples, demonstrando os fluxos e cargas de efluentes na entrada da ETE:

cargas - tabela 2

CONCLUSÕES

Neste trabalho foram tratados assuntos referentes às cargas poluidoras orgânicas expressas como DQOt e DBO5 e presentes nos fluxos nos vários pontos ao longo de uma estação de tratamento de efluentes de uma fábrica de celulose moderna. Foram discutidos os seguintes tópicos:

  1. Algumas Definições e Conceitos Básicos;
  2. Onde e como se pode medir as cargas de DQO e DBO5 em uma estação de tratamento de efluentes de lodo ativado?

Na próxima parte 2, pretende-se discutir os seguintes assuntos:

  1. Qual é a faixa ideal de controle das cargas de DQO e DBO5 na entrada e na saída da fase de tratamento biológico?
  2. Quais são alguns problemas e dificuldades no controle destas cargas em um tanque de aeração?
  3. Como se pode controlar as cargas excessivas de DQO e DBO5?

Fotos de alguns tipos de Calha Parshall

cargas - figura 4

Fotos de alguns tipos de Calha Parshall

[i] https://www.celuloseonline.com.br/tratamento-de-efluentes-david-meissner-importancia-de-oxigenio-parte-2/. – Acessado 26/08/2015

[ii] Standard Methods for the Examination of Water and Wastewater 20th Edition; Item: 5220 CHEMICAL OXYGEN DEMAND (COD)*#(233), © Copyright 1999 by American Public Health Association, American Water Works Association, Water Environment Federation, paginas 1175 – 1188.

[iii] Standard Methods for the Examination of Water and Wastewater 20th Edition; Item: 5210 BIOCHEMICAL OXYGEN DEMAND (BOD)*#(228), © Copyright 1999 by American Public Health Association, American Water Works Association, Water Environment Federation, paginas 1149 – 1175.

[iv] Martin Wanielista, Robert Kersten and Ron Eaglin. 1997. Hydrology Water Quantity and Quality Control. John Wiley & Sons. 2nd ed.; http://www.ajdesigner.com/phpflume/parshall_flume_equation_flow_rate.php.– Acessado 27/08/2015.

[v] https://www.google.com.br/url?sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=12&cad=rja&uact=8&ved=0CGoQFjALahUKEwiY-s2N6MnHAhWEEpAKHZOzCcc&url=http%3A%2F%2Fftp.demec.ufpr.br%2Fdisciplinas%2FTM117%2FCap-7-Vaz_o.ppt&ei=R0zfVdi6NISlwAST56a4DA&usg=AFQjCNGU4Y9GvNqOOFV3zG6aRc4x9WzLvg. – Acessado 27/08/2015.

[vi] https://en.wikipedia.org/wiki/Activated_sludge#Activated_sludge_control, – Acessado 28/08/2015. Tradução do autor.

albany 728
Qual é a sua impressão?
Amei
60%
Curti
20%
Não Gostei
20%
Sobre o Autor
David Meissner - Trat. Efluentes
David Meissner - Trat. Efluentes
É dono da empresa DCMEvergreen Environmental Consulting Services. É formado em Química na Michigan State University, East Lansing, (Mi USA) e Mestrado em Química Orgânica pelo ITA-CTA, São José dos Campos (SP Brasil).

Deixe um Comentário